terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Rewind

Então, depois de um longo e tenebroso inverno, um post. Sim, meu povo, é verdade. E dessa vez um post diferente. Esse texto que tá aqui embaixo não é meu nem da Lu, então vale deixar os créditos à devida autora. Kudos where it is due. Bom, a distinta mocinha que escreveu foi a Claudia, vocês já devem ter lido os comentários dela aqui no Jesus de Suspensórios. A Claudia também tem uma certa queda pelos livros e eu gosto muito de como ela escreve, e acho que, inclusive, casa muito com o meu jeito e o da Lu então, lá vai. Ela me mandou esse texto e acho muito válido colocar ele aqui. So, without further ado, Rewind:
Ao longo da minha vida, algumas vezes me disseram que eu faço o que eu quero, sem muito me preocupar com os outros ou com a opinião dos mesmos. Fazendo uma leve retrospectiva, é verdade. Fiz o que quis, falei o que quis e agi como quis grande parte da minha vida. Assumi as responsabilidades dos meus atos todas as vezes também. Porque, obviamente, ninguém sai por aí fazendo o que quer e em momento nenhum é cobrado pelas conseqüências do que faz. Quando me importei, ou acreditei estar errada, fui lá e tentei ajustar as coisas, do contrário, vida que segue e aos que doeram, enfim, só tenho a lamentar.
Largando assim parece que eu sou de uma tremenda escrotice. Não é bem assim, eu não saio por aí cagando a vida de todo mundo só pra me fazer feliz. Eu tenho juízo, respeito as pessoas, sigo as leis e pretendo um dia pagar meus impostos, só não deixo de fazer as coisas porque os outros vão pensar assim ou assado de mim.
Aí rolou essa introdução toda pra que? Pra contar que esse ano cagou toda a minha expectativa de continuar levando a minha vida numa boa.
No início de Julho desse ano, eu tinha altas expectativas, momentos decisivos, mas as coisas não saíram exatamente como o esperado. Porém, o que me conforta é que apesar do ano ruim, eu tive minhas conquistas ao longo da minha vida. Eu fiz o que eu quis inúmeras vezes, o que me deixa um pouco mais tranqüila por não estar fazendo agora exatamente o que eu queria.
Mas, qual é a importância disso pra quem tá lendo esse post? Na verdade, verdade mesmo, nenhuma. No entanto, esse foi o primeiro ano que eu achei válida uma retrospectiva. E queria poder ler isso em 2010, quando creio eu, estarei muito melhor. E se é que não ficou claro, não, nunca me arrependi de absolutamente nada que fiz. Sim, eu magoei algumas pessoas e pra isso serve o “Desculpas, aí.”, eu ultrapassei alguns limites, mas aprendi com cada cagada e no fim é isso, eu não tô com tudo tudo que eu queria na mão e muitas vezes não sei lidar com isso, mas do meu jeitinho eu continuo fazendo a vida me divertir.

4 comentários:

Breno Amaro disse...

Aeeeeeee!! Muito bom, Clódinha!! Ligue o foda-se e seja feliz!! Seu sucesso tá guardado e em breve você o alcançará. MAS NÃO EM FRIBURGO, P@#$%&ORRA!!

Beijos às três

Ana Ullmann disse...

Breno, com sua delicadeza característica, mostrando que se importa realmente com a amiguinha. Que fofo.

gabriela disse...

Mas esse texto é a cara da Claudia! Issaê gata, vida que vai seguindo com seus altos e baixos, nada de se deixar abater por muito tempo. To nesse processo também...

* E que em 2010 Friburgo seja apenas aquele lugar pra onde vamos nos feriados, rs.

Beijos!

Anônimo disse...

Grinch!!!