terça-feira, 18 de setembro de 2007

Um dia vou falar Swahili...

O kiswahili, swahili ou suaíli (G 40 da lista de Guthrie) é o idioma bantu com o número maior de falantes. É uma das línguas oficiais do Quénia, da Tanzânia e de Uganda, embora os seus falantes nativos, os povos Suaíli, sejam originários apenas das regiões costeiras.
É uma língua africana que pertence ao subgrupo sabaki das
línguas banto. É falada por cinqüenta milhões pessoas no mundo, incluindo, além dos países que a têm como língua noficial, Uganda e a República Democrática do Congo. É também falado com alguma frequência nas áreas urbanas do Burundi e de Ruanda, no sul da Somália até ao norte de Moçambique (ao longo do litoral de África oriental), na Zâmbia e no sul da Etiópia. Existem também algumas comunidades de falantes de swahili em Madagáscar e nas ilhas Comores. Contudo, a maior parte dos seus falantes não a usam como língua materna. De fato, crê-se que apenas dois a três milhões, dos cinqüenta milhões estão nesta situação, o que significa que a grande maioria fala como língua materna outro idioma níger-congolês (por exemplo, banto) ou cuchítico (somali, por exemplo).

Gramática
A característica
gramatical mais proeminente dos idiomas Banto é o uso extensivo de morfemas sob a forma de prefixos. Cada substantivo pertence a uma classe e cada idioma pode ter aproximadamente dez classes, um pouco como gêneros em idiomas europeus. A classe é indicada por um prefixo no substantivo, como também em adjetivos e verbos que concordam com aquele. O plural é indicado por uma mudança de prefixo.
Por exemplo, em suaíli, Mtoto mdogo amekisoma significa A criança pequena leu isto (um livro, implícito). Mtoto = criança governa o prefixo do adjetivo "m" (mdogo) e o sujeito do verbo com o prefixo "a". A seguir vem o tempo do verbo (perfeito) "me" - e um marcador de objeto "ki" - concordando com kitabu (implícito), livro. O plural desta frase é: Watoto wadogo wamekisoma; se usarmos o plural para livros (vitabu), a frase torna-se: Watoto wadogo wamevisoma.

Entenderam?
Meu sonho é falar Swahili. Swahili e Javanês. E completar pelo menos o ciclo básico de Afrikaans.
Tenho dito.

9 comentários:

Cacowitz Finklestein disse...

Swahili e javanês... No Burundi dos outros é refresco!

Claudia disse...

Primeiro comentário: Porra niuma!
Segundo comentário: Você tá meio aficcionada por temas sobre línguas.
Terceiro comentário: O presidente da Academia Brasileira de Letras eteve hoje no Jô, um dos temas, obeveamente, era o unificação do português.
Quarto comentário: E eu achava que mesóclise que era complicado.

Para isso aí nem Carlos Alberto salva!

Claudia disse...

Ah, ah!
Não menos importante...
Brigada por ter postado. Eu já estava quase dando uma de mega super jump jack flash hacker invadindo isso aqui e postando qualquer joça aleatória.
Vai, semana de provas da ESPM passou, sempre tem estórias muito boas pra contar naqueles dias que Murphy vem que vem, que vem quicando!

pedro.sim disse...

Este post foi meio picareta, tenho que dizer, mas eu perdôo - e em breve somente perdoo - uma vez que, segundo a claudia, rolou uma semana de prova e na Universidade de vocês as coisas não são tão levadas na bicuda assim como na minha...

Xulia disse...

Primeiramente, vai aprender uma língua de verdade miina... eu hein, Swahili.... Affe....
Tu tá é MUITO com falta do que fazer pra resolver gostar de uma língua maluca que nem essa, né?
Beijitos.

Anya disse...

olha só, vocês estão começando a abusar um pouco demais. eu aprendo a falar a língua que eu quiser tá??
bando de gandola!
ps: Claudia, quero ver Carlos Alberto explicar isso aí!

Bruno disse...

Poderia ser pior. Você poderia querer falar esperanto.

xulia disse...

esperanto ia ser LIIIINDO, ou melhor ainda, ARAMAICO!!!
love you anya!!!

Anônimo disse...

Você podeia querer não falar