sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

Ô vidinha...

Quando era criança costumava sonhar muito. Mas sonhava acordada. Adorava aquilo. Sonhavar ser tantas coisas, coisas tão diferentes, que chega a ser engraçado. Lembro que sonhava ser astronauta. Astronauta! Logo eu, que preciso tomar calmantes toda vez que entro em um avião! Mas acho que eese sonho é comum. Acho que toda criança cogitou pelo menos uma vez viajar pelo espaço, pisar na Lua, conhecer estrelas e planetas e, óbvio, tem também a diversão da comida em cápsulas e de descobrir como se bebe água sem gravidade.
Também sonhava em ser princesa. O sonho de toda menina, acho. Morar em um castelo com uma torre, ter servos e criados fazendo tudo por você e ter um pônei, por quê não? Um pônei com um laçarote cor-de-rosa.
Outro dos meus favoritos era o de ser arqueóloga/historiadora. Egito, Roma, América Central, China. E isso seria só o começo. Nossa, como isso era legal!
Eram tão divertidos esses sonhos. Acreditava tanto neles. Hoje em dia os sonhos são tão normais, tão medíocres, tão iguais aos de todo mundo. Arrumar um bom emprego, casar, ter filhos lindos e saudáveis, conseguir dar a eles a melhor educação possível, viajar pelo mundo, me mudar para o campo quando me aposentar e envelhecer feliz nesse ambiente bucólico ao lado do meu digníssimo esposo, com netinhos correndo pela casa, e cheiro de torta de maçã e biscoitos.
Tudo muito chato. Muito. Tudo muito normal.
A não ser que eu me case com um príncipe. Um príncipe que me dê um pônei. Alguém conhece um?

6 comentários:

Claudia disse...

Acabaram de mandar o príncipe Harry voltar das tropas inglesas que estão no Iraque.
Dizem que a família real anda meio falida, mas nada que um reajuste nos impostos não resolva. E aí seu pônei está garantido.
E tem o plus que do jeito que aquele menino é perturbado, sua vida nunca será normal!
Ah, e obviamente ainda pode faturar um caso bem Nelson Rodrigues e se engraçar com o cunhado!

Resolvi todos os seus problemas, viu só?!

Mas você pode se contentar com bem menos também..
Tipo, o Junior (ex-Sandy e Junior), o cara é tipo o príncipe da música sertaneja e tá super a mão!

(Viajei de novo?)

*Lu* disse...

Ahhhhhhhhhhhhh...
eu bem queria um Príncipe, viu?
só encontro Bobo da corte pra mim...
ô vidinha...

Cacowitz Finklestein disse...

Meu tio cavou o pênalti que originou o gol da vitória na final do campeonato.

P.B. disse...

Lembro de uma aula na 2ª (?) série na qual tinhamos que desenhar que profissão gostaríamos de seguir... Eu desenhei "médico" (BIG wtf?).
Quanto ao príncipe, acho que você vai ter que beijar o sapo antes, né?

Anya disse...

Ai, minha gente já beijei tanto sapo que tá ficando cansativo. Já virou hábito! E eu odeio essa coisa de rotina!
Claudia, mo bem, Junior é forçação de barra! Nada de chapéu de "caubói" e cinto de fivelão, please. Já Harry é uma excelente idéia! E essa história de caso bem Nelson Rodrigues foi genial! Imagina, pega o Harry e, de quebra, dá umas mordidas no William! Adooooro.

Carol disse...

Por falar em Harry, vamos combinar que essa história de príncipe é bem duvidosa. Vide sua dignissima mãe, que hoje estuda a geografia dos campos baixos.

Quando eu tinha 8 queria ser astronalta. Aos 12, mais prudente quis trabalhar na nasa.
Tbm já quis ser arqueóloga, mas só por causa do Egito.

Acho que a gente devia ir conhecer o Egito com o chapolin colorado, assim seriamos libertadas de todos os não-sonhos.

Teriamos um óculos de sol padrão a todos ao invés de camisetas.